Após morte de aluna da Unicamp, Prefeitura de Limeira troca projeto de creche por base da PM

Local que abrigava uma escola de ensino fundamental fica próximo ao campus da universidade; estudantes alegam que melhorias devem ser para toda a cidade e não apenas para a faculdade.

Após a morte da estudante da Unicamp, Sandy Andrade Santos, a Prefeitura de Limeira (SP) anunciou que cedeu um prédio que fica próximo a Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA), para a instalação do 5º batalhão da Polícia Militar. No entanto, no local, onde funcionava uma escola do Sesi, estava prevista a instalação de uma creche.

A decisão de deixar o projeto da creche para instalar o batalhão da PM é alvo de críticas de movimentos estudantis, pois há na cidade uma lista de espera por vagas com 854 crianças .

De acordo com Michelle Santos, integrante da Frente Feminista de Limeira, o tema provocou discussão entre os estudantes. “A gente foi informada que o batalhão entraria no lugar da creche na segunda-feira (3). Isso causou uma grande revolta”, disse.

A líder estudantil diz ainda que os movimentos estão discutindo qual será a posição a ser tomada diante da suspensão da instalação da creche, já que a pauta de reivindicação por segurança feita por eles não inclui apenas medidas que beneficiam a Unicamp, mas toda a cidade.

“ A gente entende que o problema de segurança não está restrito apenas a Unicamp e por isso a gente está tentando englobar algumas pautas da comunidade”, explica.

Em nota enviada ao G1, a Prefeitura de Limeira diz que Secretaria da Educação realizou um estudo técnico para avaliar se seria possível a instalação de uma creche no prédio onde funcionava a escola Sesi. Entretanto, o estudo apontou que não é viável por questões orçamentárias, pois várias adaptações teriam que ser feitas no prédio (que atendia o ensino fundamental) para abrigar uma creche.

Ainda de acordo com o comunicado, a Secretaria de Educação informou que existem projetos em estudo para a construção de novas creches na cidade.

A Unicamp diz que a transferência do 5º batalhão da PM para as proximidades da FCA é uma demanda que vem desde 2009 e que acredita que agora será atendida, porque o prefeito Mario Botion se comprometeu publicamente em ceder o prédio para PM.

A FCA é frequentada diariamente por 2.800 alunos de graduação e pós e está em funcionamento desde 2008 em Limeira. A unidade de ensino superior está com aulas suspensas desde a noite da última sexta-feira (31), quando a estudante de engenharia de manufatura Sandy Andrade Santos, de 21 anos, foi encontrada morta em uma trilha na cidade. A Polícia prendeu o jardineiro Marcelo Soares, que confessou ter matado a estudante.

O crime causou comoção entre os alunos que realizaram uma caminhada pelas ruas da cidade até a Prefeitura, onde se reuniram com autoridades de Limeira e apresentaram uma lista de reivindicações para melhorar a segurança na FCA e na região do bairro Santa Luzia.

O luto decretado pela Unicamp terminou na quarta-feira, mas em assembleia os estudantes decidiram realizar uma paralisação para pressionar autoridades a atender a pauta de reivindicações por mais segurança no campus e na cidade. Um nova assembleia será realizada na próxima segunda-feira (10) para decidir se os estudantes retornam ás aulas.

g1

07/04/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *