Como Júnior Cigano mudou e não é mais o peso pesado que assombrou o UFC

Como Júnior Cigano mudou e não é mais o peso pesado que assombrou o UFC

Júnior Cigano surgiu no UFC em outubro de 2008 e, em pouco mais de três anos, já era o campeão da categoria mais nobre da organização. Foram sete rivais simplesmente atropelados até chegar à disputa do cinturão. Depois, ainda passou como quis por Cain Velasquez e Frank Mir para completar nove vitórias em sequência.

O dia 29 de dezembro de 2012, porém, mudou tudo isso. Cigano não viu a cor da bola na revanche contra Velasquez e saiu desfigurado depois de apanhar por cinco round quase que completos, diz o msn.

A partir dali, ele foi outro lutador. Toda a confiança que tinha foi embora. E a agressividade que marcava o seu jogo se transformou em uma paciência que lhe custou caro algumas vezes.

Cigano mudou seu jogo. E são os números que mostram isso. Em suas 9 primeiras lutas, ele desferiu 408 golpes e sofreu apenas 124. Na média, acertou seu oponente 7 vezes por minuto e foi acertado apenas 2.

Nas 7 lutas seguintes, desferiu 491 golpes e tomou outros 489. Deu e tomou praticamente 4 golpes por minuto.

Cigano não propõe mais o jogo como antigamente. E a luta diante de Miocic deixa isso mais do que nítido. O brasileiro caminhou para trás o tempo todo, ficou quase que grudado à grade. E ainda disse depois da luta que esse era exatamente o plano.

“Não cometi nenhum erro, na verdade tudo estava funcionando bem. Sei que ele anda pra frente o tempo todo. Eu gosto de andar pra trás e aproveitar as oportunidades que meus oponentes me dão. Eu estava soltando chutes e eles estavam funcionando. Lembro que o último chute que acertei ele sentiu e eu senti que estava bem e que precisava me mover e, depois não lembro de mais nada”, disse.

Tudo isso é uma resposta ao que sofreu principalmente nas mãos de Velasquez e do próprio Miocic, no primeiro encontro entre eles. Cigano tomou nada menos que 362 golpes na cabeça – antes, havia tomado só 82 nas primeiras nove lutas.

Júnior sabe que já não aguenta mais como aguentava antigamente – e aí também entra a questão da idade (quanto amis velho, menor o poder de absorção dos golpes). Por isso não vai mais para cima como antigamente, tentando não se abrir muito aos adversários.

O problema é que Cigano parece não se encaixar direito neste novo estilo. Afinal, ele se acostumou a lutar com a guarda mais baixo, tentando se defender melhor de quedas, que antes eram seu ponto fraco.

O MMA, como todo esporte, principalmente os individuais, tem tudo a ver com o psicológico. E a confiança – ou a falta dela – é quase sempre o que transforma um lutador em campeão ou não.

Todo mundo sabe que Cigano tem todas as técnicas que precisa para ser o melhor do mundo, principalmente na luta em pé. O maior trabalho que precisa ser feito não é na academia, mas sim dentro de sua própria cabeça.

15/05/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *