Davi Sereio mergulha no Rio, esbarra em intolerância, mas nada em mar de amor

Davi Sereio mergulha no Rio, esbarra em intolerância, mas nada em mar de amor

Sucesso entre os navegantes da internet, o jovem Davi Moreira — ou Davi Sereio, como é mais conhecido — quer mostrar que é mais que um rabinho colorido no mar. Estudante de Artes Cênicas e YouTuber, ele espera que sua nadadeira respingue atenção em temas como meio ambiente, sexualidade e até preconceito. Num mergulho pelo Rio, ele visitou as águas pouco limpas da Baía de Guanabara e quase tomou um caixote com a homofobia no Parque Madureira, num episódio pontual naquele bairro com tradição no samba e também na cultura da diversidade.

Davi tem 22 anos e adotou a cauda nos banhos de mar há dois. Estreou em Saquarema, mas ganhou notoriedade no Arpoador, além da maré de sucesso na web, com tsunamis de seguidores chegando a todo instante através das redes sociais, diz o Extra.

— É mais que um personagem, é um estilo de vida para mim. Sempre gostei de sereias e poder usar isso para atingir as pessoas é muito bom — avalia o sereio, que emenda: — A mensagem é de liberdade. As sereias são livres e protetoras do meio ambiente. Defendo o mar! Todos dependemos dele e só o sujamos.

Sobre as críticas que recebe, muitas prefere ignorar. No Parque Madureira, um grupo de adolescentes, estudantes, se reuniu para chacota. Entre deboches e palavrões homofóbicos, chamou a atenção a frase — infeliz e em tom de violenta ameaça — de um rapaz:

— Eu estava na cascata, mas ouvi ele falando “ah uma pistola”. Eu prefiro ignorar. Se a pessoa quiser evoluir e vier conversar comigo, como gente ou sereio, eu darei atenção. Mas de todo jeito, é uma pena — comentou.

No mesmo local, outras pessoas se aproximaram para tirar fotos. Uma estudante saiu dizendo que Davi “está muito linda”. Mas recepção calorosa, mesmo, o sereio teve no Centro e na Zona Sul. Aplausos, fila para fotos e o reconhecimento de pessoas de longe, como grupos vindos de São Paulo, Brasília, Goiânia e Manaus.

— Eu adoro os vídeos dele. A mensagem que passa é boa, de tolerância, de paz. Eu sempre curto e compartilho tudo, principalmente com os parentes religiosos — disse Maikon Conceição, de 21 anos, de Goiás.

No bairro da Urca, o sereio encontrou-se com um belo pôr do sol, digno de uma figura mitológica dos mares. E Davi terminou o dia com a confirmação de que está no caminho certo: a pequena Maria Eduarda, de 5 anos, que chegou reclamando “não é mulher” mudou de ideia, conversou e ainda saiu com uma bela fotografia.

27/05/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *