Gardenal nele: Senador Jucá pensa em lei para mudar WhatsApp

Senador estaria insatisfeito com mensagens inconvenientes recebidas por meio do aplicativo de mensagens

O senador Romero Jucá (PMDB-RR) estaria irritado com a forma de funcionamento do aplicativo de mensagens WhatsApp. De acordo com a coluna Expresso, do site da revista Época, o parlamentar diz achar um absurdo ter de mudar o número de celular para barrar a chegada de mensagens indesejadas.

Ainda de acordo com o site, o líder do governo no Senado vem sofrendo com o problema principalmente após a delação de ex-executivos da Odebrecht.

O peemedebista cogita, inclusive, apresentar um Projeto de Lei que obrigue o app a enviar as conversas inconvenientes e repetitivas para uma espécie de caixa de spam, como existe nos e-mails.

O ‘santo’ e senador Romero Jucá Filho (PMDB-RR) é investigado em cinco inquéritos autorizados pelo ministro Luiz Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal baseados em delações do empresário Marcelo Odebrecht e executivos do grupo Odebrecht.

O senador é investigado no inquérito 4382 por ter supostamente intermediado a aprovação da Resolução 72 do Senado Federal e, em troca disso, ter recebido R$ 4 milhões da Odebrecht por ter atendido interesse da Braskem S/A que consistiria em limitar a “Guerra dos Portos”, referência à disputa fiscal entre os Estados, para o aumento de desembarques em seus respectivos portos e a consequente redução de preço de produtos importados.

Em família

No inquérito 4413, Jucá e seu filho, Rodrigo de Holanda Menezes Jucá, são investigados porque o senador supostamente recebeu notas técnicas do grupo Odebrecht e as transformou em emendas incluídas na Medida Provisória 651/14. Em troca, Jucá pediu R$ 150 mil em doação para o filho, candidato a vice-governador de Roraima, por meio de doação ao diretório do PMDB no estado.

O Ministério Público aponta no inquérito 4426, que delatores do grupo Odebrecht relataram o pagamento de R$ 5 milhões a Jucá após a edição da MP 627/2013, na qual a empresa buscava alcançar benefícios fiscais que favoreceriam subsidiárias da Odebrecht que atuavam no exterior.

No inquérito 4437, o Ministério Público aponta que Jucá, sob apelido de Caju, e Renan Calheiros receberam R$ 4 milhões por meio do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, em troca da conversão de medidas provisórias em lei.

No inquérito 4460, o Ministério Público diz que Jucá recebeu R$ 10 milhões para proteger o grupo Odebrecht de ataques do governo federal relacionados à Usina Hidrelétrica de Santo Antônio.

Relacionamento da Odebrecht com Romero Jucá

Claudio Melo Filho afirma que Romero Jucá era o político com o qual tinha maior relacionamento. “Ele tinha atenção pela empresa, e resolvia os assuntos”. Quando questionado o quanto foi pago ao grupo do senador Romero Jucá, ele diz que negociou diretamente com o senador em torno de R$ 15 milhões e R$ 16 milhões. Ele cita a aprovação de medidas provisórias como a contrapartida para os pagamentos ao senador.

Ele também afirma que há outro pagamento de R$ 6 milhões da Odebrecht ao senador, que não negociou diretamente, mas sobre o qual foi informado. E também diz que não pode afirmar se Jucá recebeu ou não mais valores de outras pessoas da empresa com as quais tinha relacionamento.

Da Redação com informações Coluna Expresso Época

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *