Malu Mader lembra doença grave aos 19 anos

Malu Mader lembra doença grave aos 19 anos

Eu achei que era câncer, mas era benigno, fui pra Nova York operar lá“, contou. A descoberta aconteceu pouco antes dela estrear em Anos Dourados, série na qual despontou para a carreira artística. “Essa experiência foi bem traumática, mas a gente só aprende no sofrimento. Claro que todos nós sofremos em algum momento algum revés. Eu falo no sentido de olhar a fera de frente e tentar sair de lá transformada“, completou.

Hoje em dia quando eu lembro eu lembro com carinho, claro que a gente tem uma tendência a esquecer as coisas negativas. Eu lembro desses momentos no hospital e quando eu me vi com 25 anos num estacionamento de macas, pessoas do mundo todo, é uma tomada de consciência da sua desimportância, você percebe que é um nada, mais um ali e isso é bom“, disse, arrancando reações positivas da plateia, atesta o msn.

No auge de uma carreira de muito sucesso, ela revelou que as dificuldades a ajudaram a viver melhor e não deixar a fama subir à cabeça. “Eu nunca fui muito deslumbrada com o sucesso, mas isso te dá uma coisa de vida real que eu acho que foi bom para mim“.

Ela contou também de outro episódio que comprometeu sua saúde e deixou todos os familiares em alerta, em 2005. Na época, ela foi diagnosticada com um cisto no cérebro e teve que ser operada. Como os filhos dela com o músico Tony Belotto eram pequenos, houve um medo muito grande de ‘faltar’ para eles em algum momento. “Quando eu estou com problemas pequenos eu penso: que bobagem e lembro de tudo o que passei“, contou ela.

Mas foi uma outra declaração da atriz que deu o que falar nas redes sociais. Questionada sobre a preocupação com os filhos, ela levantou a bola no debate sobre legalização e o diálogo em relação às drogas.

“Desculpem aqui. Não é uma campanha pela legalização das drogas, mas já é sim, a partir do momento que tudo aquilo vem às claras, é mais fácil de lidar. Porque a bebida é liberada você pode fazer uma campanhas ‘se beber não dirija’, se informar, buscar ajuda. Com as drogas ilegais, muitas mães de meninos que se drogam têm vergonha, acham que o filho é marginal. Com isso às claras, você pode ajudar quem precisa”, disse.

22/05/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *