MP pede prisão de suspeito de atropelar pescador com moto aquática

José Tavares Malta Neto foi pego em blitz sob efeito de embriaguez.
Para MP, ele não deve permanecer nas ruas para não cometer mais crimes.

pescador

O Ministério Público do Estado de Alagoas (MP-AL) pediu à Justiça a prisão preventiva de José Tavares Malta Neto, suspeito de matar um pescador no Pontal da Barra com uma moto aquática e de dirigir sob efeito de álcool, no Barro Duro, em Maceió.

A solicitação foi feita após o suspeito ter sido pego em uma blitz no último dia 26 de novembro, na Avenida Juca Sampaio, no Barro Duro, com sinais claros de embriaguez. A informação foi divulgada pelo MP nesta segunda-feira (5).

De acordo com o MP, quando Malta atropelou o pescador Osmar Oliveira Araújo (foto), de 38 anos, no mês de agosto, ele também estava embriagado. Por este crime, ele responde em liberdade provisória.

No entanto, segundo a 59ª Promotoria de Justiça, como ele foi pego recentemente em uma blitz em condição de embriaguez, a prisão dele se faz necessária.

“É por isso que este Órgão Ministerial, vem, com base no art. 312 e seguintes do Código de Processo Penal, requerer que seja decretada a prisão preventiva de José Tavares Malta Neto, como garantia da ordem pública, para impedir que este continue praticando crimes”, diz um trecho da ação.

A Promotoria pede que, caso o Judiciário entenda não ser cabível a prisão preventiva neste momento, ao menos seja decretada a suspensão cautelar da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) do denunciado.

“No caso, aplicando esta medida, ao menos o acusado poderia ficar longe das vias públicas, embora não garanta que irá efetivamente cumprir o que fora determinado, uma vez que já demonstrou não ser adepto de obediência às decisões judiciais”.

Denúncia
O MP explica que na blitz em que Malta foi pego, outras três pessoas também estavam conduzindo seus veículos sob efeito de álcool.

Além dele foram denunciados Sandro Moreira Lima, Adriano Ferreira da Silva e Max Thayllon Alves Macedo. Todos eles foram conduzidos à Central de Flagrantes naquela ocasião.

g1

05/12/2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *