Renan Filho busca viabilizar com ministro da Integração retomada de obras em rodovia de Chã Preta

DER aguarda aprovação do Ministério da Integração para reiniciar serviços na AL-470, que liga Chã Preta ao município pernambucano de Correntes

1a62e08ffc1d95fb09ace9f1c93257bb_L

Uma das prioridades do governo Renan Filho para o desenvolvimento de Alagoas é retomar obras paralisadas da malha rodoviária estadual. Este é o caso da rodovia AL-470, que liga Chã Preta ao município pernambucano de Correntes, cuja obra de implantação e pavimentação precisou ser interrompida em 2014 para readequação no plano de trabalho.

A solicitação de readequação havia sido enviada ao Ministério da Integração Nacional em dezembro do ano passado, e desde então o Departamento de Estradas de Rodagem (DER-AL) aguarda apenas a aprovação do processo para que o órgão possa reiniciar os serviços na rodovia. Ciente da importância da estrada para a região e da longa espera da população de Chã Preta, o governador Renan Filho buscou celeridade na avaliação do assunto junto ao ministro da Integração, Helder Barbalho, em Brasília, na quinta-feira (7).

Na ocasião, ficou decidida a vinda de um técnico do ministério a Alagoas nesta semana para realizar uma vistoria no trecho em questão, além de discutir assuntos técnicos referentes à readequação do plano de trabalho da obra.

 “Houve alguns entraves técnicos na aprovação do plano de trabalho, mas o governador conseguiu sensibilizar o ministro Helder Barbalho, mostrando a importância dessa obra para a economia da região. Estamos com uma boa expectativa após essa visita, já que agora eles vão encaminhar um técnico do Ministério para avaliar de perto a situação e, assim, poderemos chegar a um entendimento”, afirma o superintendente de Planejamento e Acompanhamento do DER, Sebastião Braga Mota, ao ressaltar que, caso o ministério aprove a readequação em tempo hábil, a obra pode ser concluída antes do período chuvoso do ano que vem.

Mota explica ainda que a readequação do plano de trabalho é um aprimoramento técnico que tornou-se necessário para promover melhorias na execução do serviço. Inicialmente, o traçado da rodovia possuía 11,3 quilômetros de extensão. Com as mudanças realizadas no projeto, este percurso será reduzido para 10,24 quilômetros. Outro ponto positivo é a redução no número de curvas no traçado original da estrada, e a substituição de bueiros celulares por pontes, que vão garantir mais eficiência hidráulica e uma economia de R$ 400 mil no custo da obra.

“No período de chuvas, a população fica sem condições de trafegar naquela estrada. Agora mesmo eles estão sofrendo muito porque ela não está pavimentada ainda. Por isso esperamos dar continuidade a essa obra o mais rápido possível”, enfatiza o superintendente de Planejamento e Acompanhamento do DER.

Micaelle Morais – Agência Alagoas

11/07/16