“Respeite a imagem da mulher”, por Solange Jurema

É triste, vexatório, infame e incômoda a postura do ex-presidente da República, Lula da Silva, com a imagem de sua mulher Marisa Letícia!

De maneira despudorada, com interesses vis de retirar de sua própria responsabilidade os atos criminosos cometidos pelo casal e investigados na Operação Lava Jato.

O depoimento dele ao juiz Sérgio Moro é emblemático e revelador. Emblemático porque ao tentar escapar da sua responsabilidade, culpabilizando-a criou uma nova rota de fuga nas palavras – trocar o “não sei” pelo “Marisa é quem cuidava disso” – com clara orientação jurídica.

Revelador porque mostra a insaciável postura de tentar ludibriar a Justiça e a opinião pública com uma versão inverossímil e fantasiosa do papel de Marisa Letícia nos negócios escusos da família.

Ele não poupou seu lar. Levou o escândalo do aparelho do Estado para o ambiente familiar, sem qualquer pudor ou cautela. Optou por expor a sua esposa – inimputável – e a memória dela à excreção pública para se defender e omitir seus atos.

Não o incomoda ver toda a mídia nacional e mesmo internacional reproduzir, em manchetes, as aleivosias contra Marisa Letícia, uma mulher que reconhecidamente dedicou sua vida a ele, à sua família e a um trabalho político ao lado do marido.

Como já fizera antes com atores políticos de sua entourage em episódios como o do Mensalão – José Dirceu, Ricardo Berzoini e Antônio Palocci – Lula usou a mulher morta para criar uma versão fantasiosa em que todos ao seu lado cometem crimes e ele não sabia, apesar de ser beneficiário político ou patrimonial.

Mas, como diz o dito popular, mentira tem perna curta. Se Marisa Letícia “não gostava de praia” mesmo interessada em um tríplex no Guarujá, as redes sociais se ocuparam de desmenti-lo com dezenas de fotos do casal na orla brasileira.

A atitude de Lula é mais um triste capítulo da sua derrocada moral, pessoal e política.

Triste, muito triste, que tenha recorrido à memória da mulher – que não está aqui para se defender e esclarecer – para tentar escapar da Justiça.

Ele deve respeitar a imagem de quem o ajudou na vida inteira.

*Solange Jurema é ex-ministra do governo Fernando Henrique Cardoso e presidente do Secretariado Nacional da Mulher-PSDB

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *