Veja quais são as doenças que afetam o sexo masculino durante a vida

Especialista explica quais são os sintomas, como prevenir e tratar doenças que acometem os homens

download-(1)

Neste 15 de julho, é celebrado o Dia do Homem. A data é importante para a conscientização sobre a importância dos cuidados com a saúde, geralmente subestimados pelo sexo masculino. Segundo a médica do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos Ligia Brito, hábitos do dia a dia dos homens podem estimular o desenvolvimento de doenças. Homens que bebem pouca água, ficam expostos a baixas temperaturas, ingerem bebida alcoólica, fumam e passam por consultas preventivas com pouquíssima frequência têm mais chances de serem acometidos por doenças cerebrais, cardíacas e infecções nas vias respiratórias, principalmente em estações mais frias, como o inverno.

O urologista André Guilherme Cavalcanti listou as principais doenças que atingem os homens desde a infância até a idade adulta.

INFÂNCIA

1. Criptorquidia

A doença ocorre quando os testículos dos bebês não ‘locomovem’ para a bolsa escrotal — o que normalmente ocorre nos primeiros quatro meses de vida. Segundo o especialista, se até o primeiro ano de idade isso não acontecer, os meninos precisam ser submetidos a uma cirurgia laparoscópica chamada orquiopexia, que vai mover o testículo para o escroto. Caso os pais não procurem um especialista e não realizarem o processo cirúrgico, o bebê pode ter infertilidade no futuro

2. Fimose

A fimose é quando a pele que cobre a cabeça do pênis não se move. Isso também é comum em bebês recém-nascidos, dificultando a higienização do órgão e sendo porta de entrada para infecções locais e urinárias. Em casos mais extremos, o menino fica até com dificuldade para urinar. O especialista afirma que o tratamento é normalmente feito com pomadas à base de anti-inflamatórios corticoides — e que ele é eficaz em 50% dos casos. Quando a condição é mais grave, é necessária intervenção cirúrgica

3. Enurese noturna

O famoso xixi na cama é a perda incontrolável de urina durante o sono. Até os cinco anos de idade, médicos consideram esse transtorno uma condição comum. No entanto, depois dessa idade, se torna um problema grave e precisa ser tratado. Segundo dados mundiais, 15% das crianças com cinco anos ainda fazem xixi na cama com frequência. Entre os tratamentos, estão os medicamentos orais e um alarme sonoro, que é colocado na roupa da criança antes de dormir

ADOLESCÊNCIA

1. HPV

Pouco comentada no universo masculino, a doença pode ser transmitida durante as relações sexuais. A vacinação contra o HPV apresentou maior eficácia na prevenção dos homens do que das mulheres, reduzindo índices de câncer oral, genital e anal, além da diminuição da propagação de verrugas genitais de transmissão sexual. A vacina para meninos não está disponível no SUS (Sistema Único de Saúde), mas é recomendada por médicos entre os 9 e 26 anos de idade

2. Ejaculação precoce

A ejaculação precoce normalmente é relacionada a um alto nível de ansiedade, mas pode também estar relacionada com a prostatite, alterações do hormônio responsável pelo humor e pelo sono, a seratonina, hipersensibilidade da glande ou problemas de tireoide. Se diagnosticado, o tratamento precisa ser acompanhado por especialistas

ADULTO

1. HBP (Hiperplasia Benigna de Próstata)

A doença faz com que o órgão aumente, prejudicando a facilidade para urinar. Normalmente, ocorre com homens a partir dos 60 anos de idade, mas não é uma regra. Por ser silenciosa, a doença nem sempre apresenta sintomas, mas, de acordo com o urologista, metade dos homens percebe que há algo de errado na hora de urinar, uma vez que, a próstata aumentada comprime a uretra, por onde passa a urina.

Quem sofre de hiperplasia benigna de próstata sente mais dificuldade para mirar, na hora de urinar, e a diminuição da força do jato urinário. Os homens passam a levantar mais vezes à noite para ir ao banheiro e ficam com a sensação de que a bexiga não esvaziou completamente. Além disso, após a urina, o homem percebe um maior gotejamento

2. Daem (Deficiência Androgênica do Envelhecimento Masculino)

Significa a diminuição da produção de testosterona, hormônio masculino, que cai cerca de 12% a cada década de vida. Normalmente, começa a partir dos 40 anos de idade. Os principais sintomas apresentados são diminuição de força e da massa muscular. A memória fica comprometida, assim como as funções cognitivas. O homem passa a sentir maior depressão e irritabilidade.

O especialista orienta que um urologista seja procurado para encontrar o diagnóstico correto e aplicar o tratamento adequado

3. Disfunção erétil

Conhecida popularmente como impotência sexual, a doença pode ser de natureza orgânica ou psicogênica. Segundo o especialista, o fator decisivo para o diagnóstico é o histórico da vida do paciente, para averiguar se há a necessidade de incluir outros profissionais no tratamento — como psicólogos, por exemplo.

Normalmente, os fatores de risco mais relacionados são diabetes e doenças cardiovasculares, além de hipertensão arterial, depressão e uso de medicamentos

4. Pedra nos rins

Formados por cristais presentes na urina, as pedras nos rins têm como principais sintomas dores súbitas e intensas na região da lombar. O especialista explica que uma dieta rica em proteínas e sódio, associada à baixa ingestão de líquidos, é um dos principais fatores que desencadeiam a doença. Para prevenir, mudar os hábitos de vida é o primeiro passo. O tratamento pode ser à base de medicamentos ou, em casos mais graves, processos cirúrgicos

5. Câncer de próstata

A doença cresce lenta e silenciosamente. E, se não houver um diagnóstico precoce, o câncer pode se espalhar e atingir órgãos vizinhos como bexiga, ureteres e reto. As causas ainda são desconhecidas, mas, de acordo com o urologista, sabe-se que ele é originado de desequilíbrios genéticos que causam alterações moleculares. Quanto mais idade tem o homem, maiores as chances de desenvolver a doença. Por isso, é preciso consultar um urologista anualmente a partir dos 50 anos de idade, para prevenir e detectar o quanto antes.

diarioarapiraca.com.br

15/07/16